INTERVALOS

Os intervalos nada mais são do que uma classificação numérica para identificar a distancia ou a relação entre duas notas musicais.

Em termos gerais as notas músicas estão organizadas em sete notas: Dó, Ré, Mi, Fá Sol, Lá e Sí. E entre uma nota e outra estão presentes os intervalos. Entre o Dó e o Ré existe o intervalo de 2º, sendo que ele recebe essa denominação porque o Ré é a segunda nota a partir do Dó.

intervalos-sobre-escala

Entre o Dó e o Mí temos o intervalo de 3ª, porque o Mí é a terceira nota na escala a partir do Dó. Assim será com as demais notas, onde se tem o intervalo 4ª, entre as notas Dó e Fá, o intervalo de 5ª entre as notas Dó e Sol, o intervalo de 6ª entre as notas Dó e Lá e finalmente o intervalo de 7ª entre as notas Dó e Si, quantificando um total de sete intervalos musicais.

Como as notas musicais se espalham por várias regiões indo do som mais grave até o mais agudo, é possível dizer que após a nota Sí existe novamente uma nota Dó iniciando uma nova escala em uma região um pouco mais aguda. E antes da nota Dó, existe novamente a nota Sí começando a escala e dando continuidade a ela em uma região um pouco mais grave.

Com isso é possível dizer que entre a nota Dó e a nota Dó que está situada um pouco acima existe um intervalo de 8ª. Dessa forma surge os chamados intervalos compostos que são intervalos maiores que uma oitava. Por exemplo, entre o Dó e o Ré que encontra-se acima do próximo Dó é possível ter um intervalo de 9ª.

simples-e-compostos

Os intervalos compostos mais importantes são o intervalo de 9ª, que é a oitava da segunda, o intervalo 11ª, que é a oitava da quarta, e o intervalo 13ª, que é a oitava da sexta.

compostos-mais-importantes

Esses intervalos vão surgir corriqueiramente como notas apresentadas aos acordes sendo que os outros intervalos já não são muito utilizados nas cifras e também na nomenclatura dos acordes tendo em vista que eles já fazem parte das estruturas básicas que são as tríades e as tétrades então normalmente eles são chamados de intervalos simples.

Além desta classificação também é possível classificar os intervalos conforme a sua qualidade. Nesse aspecto os intervalos podem ser classificados em justos, menores, os maiores, além de diminutos e também os aumentados.

O que vai determinar a qualidade de um intervalo corresponde a quantidade de semitons que existe entre as suas notas. Para que você entenda melhor vamos lhe mostrar um exemplo: se existem 5 semitons entre um intervalo de 4ª, identificamos ele como sendo um intervalo de 4ª justa, ou então se existe 7 semitons entre um intervalo de 5ª, então este intervalo recebe é classificado como uma 5ª justa, e assim se segue nos demais intervalos.

Os intervalos que são classificados dessa forma, são chamados de consonantes perfeitos. Caso algum destes intervalos apresentem um semitom a mais do que o tamanho considerado justo, ele receberá o nome de intervalo aumentado. Da mesma forma se ocorrer o contrário, ou seja, se houver um semitom a menos, o intervalo é chamado de intervalo diminuto.

Na exemplificação abaixo, os numerais indicam o tamanho do intervalo e as letras “J”, “A” e “d” estão sendo usadas para indicar os intervalos justos, aumentados e os diminutos respectivamente.

de-4-e-5

Os intervalos de 2º, 3º, 6º e 7º não são classificados como sendo justos tendo em vista que não representam consonâncias perfeitas. Nesse caso eles serão chamados de menores ou maiores sendo que a denominação exata será dada de acordo com a quantidade de semitons que o intervalo apresentar.

Da mesma forma como ocorre com os espaçamentos justos, onde se leva em consideração a quantidade de semitons que existe entre os intervalos, eles também podem ser classificados em intervalos aumentados ou mesmo em intervalos diminutos.

No desenho abaixo os números estão indicando o tamanha que os intervalos apresentam e as letras “M” e “m” estão sendo utilizadas para representar os intervalos maiores e menores respectivamente.

demai-acorde

Os intervalos que não se classificam como consonantes são chamados de dissonantes.

Como pode notar a compreensão dos intervalos musicais embora pareçam complicados de início mas ao entender cada etapa a sequência dos intervalos acabam se tornando cada vez mais fáceis e simples de serem identificados.  Por isso não desista e pratique sempre!

About The Author

William Cezario

Originário de Brasília DF, iniciei meus estudos musicais na CCB do Gama-DF aos 9 anos de idade, Hoje sou encarregado musical, e profissionalmente sou músico na Banda de Música do CBMDF. Este site tem por objetivo a troca de experiência musical entre os músicos da CCB e a qualquer outro admirador da arte musical.

Comentários

1 Comment

  • rubens

    Reply Reply 28 de agosto de 2017

    bastante profundo.este estudo.
    temos que praticar.para entender.

Leave A Response

* Denotes Required Field