5º Módulo – Solfejo, Respiração

 

O que é Solfejar

Como foi dito no início solfejar significa cantar as notas escritas na altura em que elas estão representadas. O que nós fazemos no MTS é uma leitura das notas, sem a ideia de entoação sonora. É o que o MTS denomina como LINGUAGEM RÍTMICA”.

como aprender solfejo

Não adianta saber ler uma partitura sem que se transforme seu conteúdo em melodia, em som. O solfejo é o exercício que faz com que o musicista transforme uma partitura em som.

E a função do solfejo é exatamente esta. Transformar todos aqueles códigos musicais em som, música apreciável. A arte de solfejar é a maneira de criar intimidade entre o músico e a melodia ali escrita.

Compreendendo a mensagem que o autor colocou ali no papel, ele vai saber exatamente como é aquela música ali escrita. A partir deste conhecimento ele terá condições de interpretar a obra seja através do canto, de um instrumento ou regendo um grupo vocal ou instrumental.

É a partir do solfejo que o musicista se torna capaz de conceber a melodia internamente. Ou seja. Ele lê a partitura e tem como ouvir a música com seu ouvido interno. Destra forma ele é capaz de saber exatamente o que está tocando ou cantando.

Conhecer o pentagrama e as figuras musicais é fundamental para o solfejo.

Para a grande maioria dos iniciantes na música, o solfejo é um bicho de 7 cabeças. O fator principal é a forma toda particular com a qual é feita a escrita musical.

Portanto, para praticar o solfejo, você precisa conhecer o que é um pentagrama, quais são as figuras rítmicas e as notas. Além disso, o exercício requer conhecimento prévio do que é um compasso, armadura de clave, tonalidades e a posição das notas em cada linha.

3 passos fundamentais para solfejar

  • Primeiro passo

O primeiro passo para se fazer um solfejo é examinar o trecho apresentado. Pode ser uma música completa ou parte dela. Não importa a complexidade aparente do texto.

Neste exame o praticante precisa identificar qual a tonalidade do exercício, se é maior ou menor, a fim de saber as particularidades dele. Há diferenças essenciais entre uma escala maior e outra menor.

Uma vez identificada a tonalidade, faça o arpejo dela. Destaque a tônica, a dominante e o acorde da mesma. Feito isto, vá para o segundo passo.

 

  • Segundo passo

Identifique em que compasso o solfejo foi escrito. A marcação do tempo é importantíssima para que o exercício seja fiel ao que o autor idealizou quando o escreveu. O compasso determina quantas notas serão executadas dentro daquele intervalo de tempo.

Faça uma leitura rítmica do trecho. É muito importante que o ritmo esteja bem entendido para que sua reunião com a melodia resulte na execução da peça escrita com fidelidade ao texto.

 

  • Terceiro passo

 

Faça a união da melodia com o ritmo da música escrita na partitura. Inicie em um andamento moderado, principalmente se você é um iniciante e tem pouca intimidade com a leitura musical.

 

À medida que você for se familiarizando com o exercício, vá aumentando a velocidade de leitura. Ela também é conhecida como andamento.

 

Lembre-se sempre. Aprender solfejo é uma questão de prática, da mesma forma como se aprende a dirigir. É com a prática que você vai adquirindo intimidade com o exercício e ganhando agilidade.

 

É muito importante que no princípio você treine bastante o ouvido quanto aos graus das escalas musicais. Toda música tonal gira em torno da tônica e por isso é fundamental que você a identifique logo de imediato.

 

Neste estudo você aprenderá as figuras e todo o processo de leitura para que comece a treinar o solfejo.

Outro aspecto determinante para seu sucesso neste setor é obter uma referência. Por isso é importante que você ouça e treine os intervalos entre as notas de uma escala. Isso vale tanto para as tonalidades maiores, quanto para as menores.

 

Estude escalas, de forma que a escala esteja memorizada antes que você passe para a prática da leitura do trecho musical.

Utilizaremos duas formas de marcação para nossos estudos, conforme desenhos abaixo:

Marcação francesa

A forma de marcação acima facilita o entendimento da subdivisão dos tempos, porém a forma apresentada abaixo contribui para que a marcação rítmica acompanhe a dinâmica da acentuação métrica. Que parte do tempo forte para os tempos mais fracos.

No solfejo sugere-se que seja adotado este padrão.

Marcação Italiana

ORIENTAÇÕES PARA OS GESTOS DE MARCAÇÃO DO SOLFEJO

  • Com a mão direita, exercite os gestos de marcação até fazê-los com firmeza.
  • Em seguida, repita os gestos com o auxílio do metrônomo partindo de 60 bpm e aumentando para outros andamentos.
  • Antes de iniciar a lição execute o LEVARE, gesto preparatório que equivale a uma Unidade de Tempo, como mostrado a seguir:

 Levare

RESPIRAÇÃO

Para produzir som de boa qualidade ao solfejar, cantar ou tocar um instrumento é necessário ter uma quantidade de ar maior do que para falar.

Exercícios de respiração devem fazer parte da rotina diária de estudo do músico.

Na leitura musical usa-se uma vírgula para indicar o local correto da respiração.

Os exercícios de respiração abrangem três fases:

  • Inspiração,
  • Suspensão e
  • Expiração,

Naturalmente a nossa respiração é feita pelo nariz, porém durante o canto ou quando tocamos um instrumento, há momentos em que é necessário uma retomada rápida de ar e neste caso é necessário que a inspiração seja feita pela boca,

É muito importante que exploremos o diafragma em toda sua extensão durante o processo de respiração ao tocarmos um instrumento.

Para saber se você está usando o diafragma devidamente, faça a seguinte experiência:

  • Sopre sobre as costas da mão e sinta se o ar sai frio ou quente.
  • Se saiu frio é sinal que você está fazendo pouco uso do diafragma.

APRENDENDO A RESPIRAR

Inspire profundamente de forma calma e relaxada sem elevar os ombros, evite ficar tenso ou rígido. Faça com que o ar preencha todo o abdômen, a região superior das costas, e por último a região peitoral.

Na suspensão, segure o ar por meio do diafragma, mantendo a garganta aberta, como se fosse continuar a inspirar.

Expire relaxadamente procurando manter o fluxo de ar constante como se estivesse pronunciando um “O” longo, com a garanta bem aberta.

Neste caso o ar deverá sair quente. É a maneira ideal de soprar ao solfejar, cantar, ou tocar um instrumento.

EXERCÍCIO DE RESPIRAÇÃO

Repita diariamente os exercícios da página 29 do MTS utilizando o metrônomo em 60 bpm.

exercicios-pag-29

 

About The Author

William Cezario

Originário de Brasília DF, iniciei meus estudos musicais na CCB do Gama-DF aos 9 anos de idade, Hoje sou encarregado musical, e profissionalmente sou músico na Banda de Música do CBMDF. Este site tem por objetivo a troca de experiência musical entre os músicos da CCB e a qualquer outro admirador da arte musical.

Comentários

3 Comments

  • Rosa Maria Santos

    Reply Reply 1 de novembro de 2016

    Maravilhoso o segredinho da respiração para saber se a utilização do diafragma está correto.

  • rubens

    Reply Reply 19 de setembro de 2017

    estou repassando este módulo também.blz.

  • Dayana

    Reply Reply 15 de novembro de 2017

    O q é levare

Leave A Response

* Denotes Required Field